macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Outono




O outono já chegou na natureza morta
Nas flores sem poesia, com perfume tumular
Exalando tristeza, até voce voltar

Nas tardes, não tem a canção que precede o dia
Nem o crepúsculo que antecede a noite
Não tem a alegria, ficou a nostalgia
Até lhe encontrar

E pegar em suas mãos
Seguir seu caminhar
Beijar a sua boca
Sentir seu suspirar

Ah! Mas de que jeito se o destino é imperfeito
Levou voce na brisa, na noite de uma primavera
Ficando eu na espera, de um dia ao regressar
Sentir em minhas mãos, o muito do perdão

Ah! Mas é outono e o vento chora
Retalhos de ilusão, ausência, solidão
A dor inacabada de sempre lhe sonhar


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 16/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras