macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Os Jardins de Carolina
  O Jardineiro Invisível

O jardineiro invisível
Comanda seus batalhões
Uns que dão cheiro às orquídeas
Outros, aos manjericões

No batalhão tem pintores
Com seus pinceis encantados
Pintam bromélias vaidosas
E cravos encabulados



************************


  Pingos


A chuva quando acontece
No dorso das margaridas
No colo dos girassóis
Que vivem sempre a bailar
Pingos, palhaços sorrindo
Dão piruetas no ar


*************************


  Devaneio


Aquí o vento sussurra
Doce canção de ninar
Entre suspiros de fadas
Prontas para bailar
Serão árias de Puccini
Ou bandolins de Vivaldi?


***************************


  Leque do dia


Ainda que as flores sorrissem
Brincando como meninas
Abrindo o leque de um dia
Bordado de bailarinas

Me lembrariam as rosas
Humildes, tão pequeninas
Iluminando as Marias
Luzias e Carolinas


****************************


A aranha Sabrina


A aranha Sabrina
Já teceu sua teia
Casou pé de arnica
Com galho de limão

Respeitando as abelhas
Enganando ao João
Foi armar sua rede
No velho alçapão


***************************


     Rosa


Rosa que já foi Rosinha
Rosa que não quís ser flor
Rosa que foi ser mulher
Rosa prá morrer de amor


***************************



        Pureza


E se passares por estes canteiros
E pátios brindados de flores
Lavai a alma, lavai os olhos
E silencia...

É na calma da hortelã
Nas passadas das codornizes
Que a alma, feliz
Quer falar ao coração



***************************



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 25/05/2010
Alterado em 25/01/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras