macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Desde que te ví



Desde que te ví
Os meus olhos incendiaram
E estes olhos acostumados ao amor
Te foram seguindo conforme
As emoções das pisadas
Com que eu ia te encontrar

Daí que a chama ardente dos meus olhos
Luz que acende o peito e desperta a alma
Mostrou-me o que era verdadeiro
O que não oferecia dúvidas

Surgiu a inquietude
Uma vontade imensa de lutar
As bandeiras tremulavam
Umas para a guerra
A mais singela para a paz

Uma vontade de erguer barricadas
Atravessar fronteiras
Jogar este velho mundo fora
E construir outro melhor
Com um olhar de carinho
Teu e meu

Então paralisei teus olhos
Para libertar o lume do teu olhar
E carregar teus olhos dentro dos meus
Como dois faróis completados
Para enxergarmos os dias escuros
E as noites sombrias
A primavera do mundo
E os domicilios da felicidade

E nunca mais eu fui o mesmo
Nesta necessidade incontrolável de ti
Desde que te vi
Desde que te amei



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 10/05/2010
Alterado em 20/09/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras