macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Poema sem nome


Venho de longe, porque venho tanto
Venho da noite, que a noite é tanto
Venho descoberto de dúvidas
Porque a vida é mais

Venho sacramentar odores do corpo
Que deixei grudado ao corpo teu
Venho para te livrar de mim
E te tomar de novo

Venho revitalizar as vísceras
Trazer luz ao seu perdido olhar
Venho consertar seus membros
Que ficaram fora de lugar .


Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 04/04/2010
Alterado em 13/04/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras