macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Alma de Mulher


De mulheres não falo
Porque falar de mulher
É como chover no molhado,
Mulher é mulher, e finito!

São fúteis?
É porque soltam a imaginação procurando o belo,
E percebem novas maneiras de encontrar felicidade.
Fazem piruetas no éter, pintam e bordam no arco íris
Dançam um pás de deux com um querubim,
Para tanto.

Sinceras?
Morrem afogadas no fundo do poço,
Acreditando no grande amor.
Morrem angelicalmente se acreditam,
Neste imenso amor!

São cruéis?
Que nada, sua crueldade não vai alem de um beliscão,
Na hora certa, no lugar errado.
Seu ódio se esvai em um baile de máscaras
Onde vingam tudo!

Nos caminhos para a paz
Nas nescessidades das guerras,
Elas sempre estão lá, contemporizando!
Um sorriso aquí, um carinho alí,
E salve elas!

Tentei em vão decifrar este ser
Que intermedia o profano e o sagrado;
A diplomacia entre o homem e Deus,
E compreendí um pouco que:

É leve a alma da mulher, e facil de capturar,
Num suspiro ela se solta, e está no ar !!!!!!!



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 12/05/2009
Alterado em 12/05/2009
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras