macacos e colibris

Crônicas  Textos  Entrevistas

Textos

Meu Coração



Meu coração é um verso esquecido
Pleno de amor e nunca revelado
Que adormece sempre em noites frias
Pelos teus lábios, nunca declamado!

Meu coração é como uma abadia
Guardando a confissão de todas as Marias
E tem um anjo bom que anoitece
Entrelaçado com as romarias.

Meu coração é como um relicário
Que guarda espelhos multifacetados
Muitos olhares que já se perderam
E se embaçam quando são mirados.

Meu coração é como nau sem rumo
Que viu um dia a onda enlouquecer
E quer partir num dia de domingo
E não ter tempo pra se arrepender.

Meu coração é como labareda
Que assopra o fogo para crepitar
Depois que a noite vira pelo avesso
Ainda a brasa morta vem queimar.

Meu coração é como uma armadilha
Que deu um salto e escapuliu da ilha
Plantando flores, enfeitando o chão
Espera o amor sorrindo em uma trilha.



Jose Balbino de Oliveira
Enviado por Jose Balbino de Oliveira em 01/08/2008
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Tela de Claude Monet
Site do Escritor criado por Recanto das Letras